• Passaport On-line - Seja bem vindo ao maior portal e mais completo guia de relações turísticas, culturais, gastronômicas, sociais, políticas e comerciais de Região Agulhas Negras.


     
 
Região Agulhas Negras
 
 
Segunda-feira
23 de Outubro de
2017
 

 


História de Visconde de Mauá

Autor: 
Cadastrado: 02/05/2011 : 22:30:32 - Atualizado: 10/05/2011 : 17:28:03
10329 page views
Visconde de Mauá - Passaport On-line - Região das Agulhas Negras ***LINHA***Foto: Multiply
Visconde de Mauá - Passaport On-line - Região das Agulhas Negras ***LINHA***Foto: Multiply
Visconde de Mauá - Passaport On-line - Região das Agulhas Negras ***LINHA***Foto: Multiply

Mais conhecido como Mauá, este lindo recanto da serra da Mantiqueira, localizado na região do Maciço do Itatiaia, descortinando-se para as majestosas e sublimes Agulhas Negras, teve como cenário, no final do século XIX e início do século XX, núcleos de colonização de imigrantes europeus, como precursores de seu povoamento.

\"A idéia do aproveitamento destas terras para formação de núcleos coloniais surgiu,pela primeira vez, à época da especulação financeira no início da República. Num breve período, que vai de 1889 a 1892, ao estimular novas atividades, ocorreu uma intensa especulação, revelada nos famosos 'booms' da Bolsa de Valores do Rio. Facilidade de crédito, abundância de títulos e mesmo companhias fantasmas marcam a euforia destes anos.

Foi neste clima que o Com. Henrique Irineu de Souza, filho e herdeiro do Visconde de Mauá, obteve por contrato, permissão para instalar dois núcleos coloniais em suas terras: os núcleos \"Visconde de Mauá\"(no vale do Rio Preto) e \"Itatiaia\"(no vale do Rio Campo Belo). O contrato entra em vigor em 1889, estipulando que o governo seria o responsável pela introdução e transporte dos colonos, comprometendo-se em construir estradas e indenizar o proprietário pelos gastos feitos na instalação dos núcleos e sustento provisório dos imigrantes.As previsões eram bastante pretensiosas e falavam em receber cerca de quinhentas a mil famílias de colonos.\"(1)

No entanto, hoje em dia, poucos sabem quem foi Henrique Irineu de Souza, filho do Barão e depois, Visconde de Mauá, Irineu Evangelista de Souza.

Henrique

Autor: José Eduardo de Oliveira Bruno

Cadastrado: 02/05/2011 : 22:35:00 - Atualizado: 02/05/2011 : 22:35:00


Henrique, foi o pioneiro em realizar um empreendimento de colônias agrícolas, naquela região serrana. Sua vasta propriedade compreendia em extensão, da Pedra Selada até os contrafortes da serra do Maromba. Possuía três grandes fazendas - 1- Fazenda Central do Rio Preto, no vale do Rio Preto, que era centro administrativo ; 2- Fazenda do Mont Serrat, que ficava do outro lado do Itatiaia, na vertente que dá para a antigo distrito de Campo Belo, atual município de Itatiaia; 3- Fazenda Queijaria, Rio Preto abaixo, onde se cuidava da indústria de laticínios. (2)

Desejava transformar, aquela até então inóspita região montanhosa, em um rico celeiro de produtos originários das zonas temperadas e frias - cereais e alienígenas frutas e em risonhos campos que se povoassem de gado de finas raças. Núcleos coloniais de italianos,principalmente, recém-chegados, foram fundados com grandes investimentos , um no vale do Rio Preto e o outro

no Monte Serrat. Todavia,o que realmente deu resultados positivos foi o setor de laticínios que a esse tempo fabricava o famoso queijo tipo "Chester" que tinha muita procura nas grandes confeitarias do Rio de Janeiro.

Henrique Irineu de Souza,filho do grande empresário e capitalista Visconde de Mauá, sentiase,talvez,obrigado por atavismo, a ser também, um grande empreendedor.

Seu pai,nascido em 1813 no Rio Grande do Sul, foi aos 12 anos de idade, levado para o Rio de Janeiro,por um tio seu, num navio abarrotado de charque, farinha de trigo e couros, viagem que na ocasião despendia mais de um mês.(3)

Chegando ao Rio,começou a trabalhar de caixeiro, ora arrumando mercadorias ou varrendo o lixo,ora fazendo pequenos serviços ou atendendo prontamente os pedidos dos funcionários mais antigos , sempre procurando aprender os segredos da profissão. À noite, discretamente, para não provocar ciúmes e invejas, à luz de velas ,estudava contabilidade, gramática e francês, o que lhe permitiria mais tarde devorar os escritos de Jean-Baptiste Say, autor da clássica "Lei de Say", um aplicado discípulo de Adam Smith, que via as relações econômicas pela ótica do pleno liberalismo dos mercados. Trabalhava sete dias por semana . Nas escassas horas de folga, se não estava aprendendo alguma coisa, engraxava botas dos colegas para engordar o esquálido salário de 50 réis mensais.

No entanto, a ascensão foi rápida, e aos 14 anos já conhecia na intimidade ,a contabilidade e os segredos da administração. Em 1833 ficou sócio da importante casa comercial Ricardo Carruthers, que tendo que partir para Europa,lhe confiou a administração. Mauá desenvolveu e elevou aquela empresa à liderança no mercado.Em 1841,casou-se e logo após fundou uma filial daquela casa comercial no Rio Grande do Sul. Em 1846,comprou a fundição e estaleiro da Ponta da Praia, no Rio e o transformou no maior estaleiro da América do Sul. Em 1847, organizou a Companhia Rio-Grandense de Reboques a Vapor, que melhorou extraordinariamente os serviços marítimos da Barra. Colaborou na elaboração do nosso Código Comercial que até hoje está em vigência.

Em 1851, no Banco do Brasil, no qual foi o organizador e fundador,que acabaria tendo o governo como seu maior acionista,antecessor do Banco Mauá & Cia., revolucionou o crédito à produção, emitindo moeda que circulava livremente e exibia vasta rede de agências distribuídas pela Argentina e Uruguai, mais inúmeros negócios no exterior, inclusive Londres.

Companhia de Iluminação a Gás do Rio de Janeiro

Autor: José Eduardo de Oliveira Bruno

Cadastrado: 02/05/2011 : 22:39:06 - Atualizado: 02/05/2011 : 22:39:06


Criou a Companhia de Iluminação a Gás do Rio de Janeiro; fundou a primeira estrada de ferro do Brasil, que foi a Estrada de Ferro Rio-Petrópolis; A Cia. de Navegação e Comércio do Amazonas e a dos Diques Flutuantes. Criou a Estrada de Ferro Pedro II, depois Central do Brasil, cujo primeiro trecho foi inaugurado a 30 de abril de 1854, estrada essa que foi a primeira ligação ferroviária entre as duas maiores cidades do país,o Rio e São Paulo.Também, foi o idealizador e o empreendedor da Estrada de Ferro Santos-Jundiaí,a menina de seus olhos,que ele bancou até o dia da inauguração.

Fundou a notável Casa-Bancária Mauá Mac Gregor & Comp., no Rio de Janeiro; o Banco Mauá de Montevidéu no Uruguai e também,. várias casas comerciais da maior importância em Nova Iorque e Londres.

Demonstrava grande perseverança e coerência em seus propósitos. Personificava a figura do administrador austero, extremamente cuidadoso com os capitais de terceiros, dos quais administrava, e era incapaz de esbanjar dinheiro com gastos de viagens, subvenções ou suborno.

O desprendimento não o impedia de colecionar uma vitória após a outra. Iluminou e abasteceu de água a cidade do Rio de Janeiro, rasgou estradas e intermediou empréstimos para a implantação das primeiras redes ferroviárias em nosso país.Ergueu a primeira siderúrgica do país. Dedicou-se com tamanho ímpeto à democratização do capital que antecipou o advento das sociedades por ações,base do moderno empreendimento capitalista que só neste fim de século,com as privatizações, está revolucionando a eficiência e a competitividade das empresas no Brasil e na América Latina de um modo geral.

Todavia, ninguém deu ouvidos às queixas do Barão quanto à belicosa política imperial brasileira no Prata. Preocupava-se com a confrontação fronteiriça, rompendo com o passado intervencionista e acenava com as vantagens da integração econômica. O Mercosul existia na sua cabeça

mais de um século antes de virar um tratado assinado por Sarney e Alfonsín.

Em 1860,os agraristas já dispunham do poder e o café caía nas graças dos formuladores da política econômica. O enfrentamento entre eles e o então solitário industrialista iria reverberar ao longo de toda a década, com nítida vantagem para os agraristas, devido ao recrudescimento da importância da cafeicultura na economia brasileira.

Outrossim a política econômica pendia para o estatismo e os juros altos. Ele queria puxá-la para a órbita dos juros baixos e privatista. O governo imperial estatizara o Banco do Brasil, mas este não saia do lugar. Dizia : "O banco funciona como uma caixa de descontos, e realiza esta operacão pela taxa mais alta que consegue obter." Portanto, não democratizava os empréstimos, nem reduzia custos. Fazia o que os bancos europeus abominavam: maximizava os lucros e restringia

o crédito.

Conforme menciona Renato Jardim

Autor: José Eduardo de Oliveira Bruno

Cadastrado: 02/05/2011 : 22:42:36 - Atualizado: 02/05/2011 : 22:42:36


Conforme menciona Renato Jardim em seu livro :Reminiscências: "O velho Domingos Fortes, respeitável e estimado negociante em Resende, correspondente comercial que era do comendador Henrique, conhecedor do que se operava lá na 'Serra', aos lamentosos insucessos costumava referir-se ,compungido, denominando-os: - 'as diabruras do seu Henrique'.(4)

Os interesses nesta experiência inicial foram especulativos e políticos. No primeiro caso, beneficiando o proprietário das terras; no segundo, atendendo aos anseios do Governo. Segundo os documentos existentes, nesta época os núcleos chegaram a possuir cerca de 185 colonos, dentre austríacos e italianos, vindos a partir do dia 7 de abril de 1889.Experimentou-se a cultura de bata- tas, feijão, milho, horticultura, frutas em geral (sobretudo uvas e maçãs),tentando-se a fabricação de queijos tipo suiço na Fazenda Queijaria.

Conforme mencionou o prof.Mendes da Rocha no seu livro , "Imigrantes em Resende":

"No final de 1890 a experiência foi dada como fracassada. A questão dos transportes (construção de estradas) foi apontada como principal problema dos núcleos. Apesar disso, tanto o Governo quanto o Comendador não executaram as determinações do contrato e os 60 contos de réis (60:000$000) disponíveis à experiência evaporam-se com o fracasso dos núcleos e a dispersão dos colonos."

Continuando Renato Jardim :"E lá ficou a 'Serra'- como chamado aquela região - sem inovações nem inovadores.Cerca de quinze anos após,no governo presidencial do fluminense Nilo Peçanha, o ministro Rodolfo Miranda, empreendeu ali uma colonização com alemães e suíços o que igualmente fracassou." (5)

Os imigrantes alemães vieram para o Núcleo Colonial Visconde de Mauá entre 1908 e 1916.

A política de colonização brasileira pretendia introduzir europeus, não para estabelecê-los nas grandes fazendas, mas nos chamados 'Núcleos Coloniais', que eram centros organizados em pequenos lotes de terras com o objetivo de realizar uma razoável produção de alimentos para ser vendida nos mercados das cidades brasileiras.

Os núcleos coloniais "Visconde de Mauá" e "Itatiaia" funcionaram, sob subvenção do Governo Federal, de dezembro de 1908 a maio de 1916. A partir de então, o Governo passava a assumir integralmente todas as responsabilidades com o empreendimento; desde a propaganda no exterior, passando pelo subsídio das passagens dos imigrantes, suas estadas, transportes até os núcleos, instalação provisória, sustento dos primeiros seis meses a um ano de localização, distribuição de instrumentos e sementes, demarcação de lotes, construção e manutenção das estradas.

O Núcleo Mauá

Autor: José Eduardo de Oliveira Bruno

Cadastrado: 02/05/2011 : 22:44:47 - Atualizado: 02/05/2011 : 22:44:47


O Núcleo Mauá deveria ser um centro agropecuário, com base na pequena propriedade e trabalhado pela família imigrante.Neste centro, em virtude das 'características locais', priorizava-se a produção de frutas européias, cereais,tubérculos e a criação de bovinos originários de clima temperado. Porém, a prática destas idéias, no contexto do núcleo, mostrou-se desastrosa.

Dessa forma, após a emancipação da colônia, a produção que não atingira as expectativas da política de colonização, tampouco os anseios dos imigrantes, decaiu verticalmente.

Com o fracasso da colônia e suspensão de todo o apoio oficial, os imigrantes que insistiram em permanecer na região, iniciaram uma outra atividade, aproveitando-se do clima europeu e dos belos e panorâmicos acessos ao Pico das Agulhas Negras, para se dedicarem ao turismo.

Visconde de Mauá é hoje uma importante região turística do Estado do Rio de Janeiro. Montanhas, baixas temperaturas e pequenos vales lembram o que encontramos na Europa, mais precisamente na região dos Alpes Europeus.

Notas Bibliográficas :

(1)"Imigrantes em Resende:Visconde de Mauá";autoria do Prof. Mendes da Rocha ( Funart- Rio de Janeiro/1984)

(2)"Itatyáia" - Ascensão às Agulhas Negras -de Horácio de Carvalho-( Laemmert & C.Editores- Rio de Janeiro / 1900)

(*) A título de esclarecimento, quanto ao topônimo Itatiaia,decompõe-se em ITA = pedra ; TI por TIB= muitas, abundância e AI = por si "Pedras que se Multiplicam por Si"

(3) Irineu Evangelista de Souza (Barão e Visconde de Mauá) Nascido em Arroio Grande (1813) no Rio Grande do Sul e faleceu em Petrópolis (1889) no dia 21 de outubro, às vésperas da queda do Império e da Proclamação da República.(Obs.)Para sua biografia foram consultadas diversas fontes bibliográficas.Quem quiser saber mais sobre este ilustre personagem, recomendamos o livro : "Mauá , Empresário do Império" de Jorge Caldeira; (Cia. das Letras, SP/1994)

(4) Renato Jardim autor de "Reminiscências"-de Resende ,Estado do Rio às plagas paulistas de São Simão, Batatais, Altinópolis e Ribeirão Preto (Livraria José Olympio Editora - São Paulo/1946)

(5) Rodolfo Miranda ( filho do Barão do Bananal, Luiz da Rocha Miranda Sobrinho, que foi o primeiro filho de Resende a ser agraciado com um título nobiliárquico, e tem o seu nome denominando uma rua de Resende que liga o antigo Paço Municipal à Praça do Centenário )

Opções de Visconde de Mauá
   
     

Classificados da Cidade

 
 
TAGs
   

historia, recanto, negras, agulhas, serra, colonizacao, europeus, regiao, maua, itatiaia, visconde

     

Palavras Relacionadas
   

visconde,

historia,

colonizacao,

itatiaia,

serra,

negras,

europeus,

regiao,

recanto,

agulhas,

maua

     

Entre em contato através das informações abaixo.
   
   
Preencha o formulário abaixo para enviar um e-mail.
     
Nome:
E-mail:
DDD:
Telefone:
Mensagem:
     
 
Long Time LDPC Search Engine
   

     
 
Short LDPC Search Engine
   
     
 
 
     

 
 
 

Clique em um estado no mapa abaixo!
 
Estado selecionado: Rio de Janeiro.
Total de cidades encontradas: 0 cidade(s).
 
 
E-mails:
contato@passaportonline.com.br
comercial@passaportonline.com.br
 
 
 
 

Preencha os campos abaixo e clique em 'Enviar'.
*Nome:
*Telefone:
*E-mail:
*Mensagem:
  Passaport® - Sua empresa em evidência na Internet!
http://www.passaportonline.com.br - Copyright© 2011
Anunciantes Relacionados
Delicias da Serra
Os Produtos Feitos Por Nós São O Resultado ..
11793 page views
Crepes e Sabores
Crepes E Sabores Em Penedo é A Unica Creperia ..
14135 page views
Hospital Samer
O Hospital Samer Está Localizado Em Resende. ..
10758 page views
Pousada Laço e Nó
Pousada Laço E Nó, O Melhor Lugar Para ..
11289 page views
Leonardo Materiais para Construção ..
Leonardo Materiais Para Construção Em ..
12558 page views
Clini Cão
Clínica Veterinária Clini Cão Com Atendimento ..
12182 page views